O presidente da República, Jair Bolsonaro, decidiu recriar o Ministério das Comunicações, separando-o da pasta atual de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, desde o início do governo sob o comando do ministro-astronauta Marcos Pontes, militar da reserva. Para o novo ministério, o presidente anunciou a nomeação do deputado Fábio Faria (PSD-RN), do Centrão.
O Palácio do Planalto vai editar uma medida provisória (MP) para alterar a estrutura ministerial. O presidente anunciou a mudança no Twitter. "Nesta data, via MP, fica recriado o Ministério das Comunicações, a partir do desmembramento do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Para a pasta foi nomeado como titular o deputado Fábio Faria/RN", escreveu Bolsonaro, no Twitter. O presidente decidiu a recriação em reunião no Palácio do Planalto.
O deputado disse que sua nomeação é da cota pessoal de Bolsonaro. "Foi uma indicação 100% pessoal, nada a ver com o PSD", garantiu o novo ministro. Genro do apresentador e empresário Silvio Santos, do SBT, Faria é um dos principais interlocutores do governo no Congresso Nacional. Durante articulações com partidos do Centrão, o deputado havia negado intenção de se viabilizar como ministro. O governo chegou a cogitar a demissão de Pontes.
A recriação do ministério, que havia passado por fusão no governo do ex-presidente Michel Temer, é uma forma de acomodar um nome do PSD no primeiro escalão. O presidente da legenda, Gilberto Kassab, era o ministro no governo Temer e se reuniu com Bolsonaro recentemente. O partido indicou há algumas semanas que iria fazer parte do bloco do Centrão que se aliou à base de Bolsonaro na Câmara dos Deputados, o que também gerou insatisfação na bancada.
Recentemente, em reunião com dirigentes de rádio e TVs de inspiração católica, o presidente disse que a área de Comunicações estava "deixando a desejar". Padres e leigos que controlam a radiodifusão cobravam mais agilidade no processo de liberação das outorgas para exploração. Bolsonaro porém, elogiou o ministro Pontes, dizendo ser uma pessoal excepcional. A mudança surpreendeu técnicos da pasta.
"Eu passei de deputado para presidente. Creio ser consenso nossa falha nas Comunicações", escreveu há pouco o presidente, em resposta a uma seguidora que questionava a escolha de um parlamentar para o cargo.
O governo promoveu algumas mudanças recentes no segmento de radiodifusão, como a autorização para que canais comerciais pudessem fazer multiprogramação, usando canais adicionais na TV aberta. Além disso, autorizou a volta dos sorteios e concursos nas TVs, uma fonte de arrecadação. Na campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro disse que, se eleito, o governo teria "no máximo" 15 ministérios. Quando tomou posse, em 1º de janeiro de 2019, o presidente deu posse a 22 ministros. Com a recriação da pasta das Comunicações, serão 23 ministérios.
Reportagem: João Paulo Ferreira
Fonte: Correio do Povo.

Deixe seu Comentário